O JÚBILO DE QUEM AMA
16 de Novembro de 2008

 

 

 

 

Poema do amigo aprendiz


Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos.
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,
Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
Sem forçar tua vontade.
Sem falar, quando for hora de calar.
E sem calar, quando for hora de falar.
Nem ausente, nem presente por demais.
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias...

Fernando Pessoa

 

 

 

                               OLHOS             VERDES

 

São uns olhos verdes, verdes,

Uns olhos de verde-mar,

Quando o tempo vai bonança;

Uns olhos cor de esperança,

Uns olhos porque morri;

           Que ai de mim!

Nem já sei qual fiquei sendo

         Depois que os vi!

 

                                           Como duas esmeraldas,

                                           Iguais na forma e na cor,

                                          Têm luz mais branda e mais forte,

                                          Diz uma - vida, outra - morte;

                                         Uma - loucura, outra - amor.

                                         Mas ai de mim!

                                         Nem já sei qual fiquei sendo

                                          Depois que os vi!

 

São verdes da cor do prado,

Exprimem qualquer paixão,

Tão facilmente se inflamam,

Tão meigamente derramam

Fogo e luz do coração;

        Mas ai de mim!

Nem já sei qual fiquei sendo

       Depois que os vi!

 

                                          São uns olhos verdes, verdes,

                                          Que podem também brilhar;

                                           Não são de um verde embaçado,

                                          Mas verdes da cor do prado,

                                          Mas verdes da cor do mar.

                                                       Mas ai de mim!

                                          Nem já sei qual fiquei  sendo

                                                       Depois que os vi!

 

Como se lê num espelho,

Pude ler nos olhos seus!

Os olhos mostram a alma,

Que as ondas postas em calma

Também refletem os céus;

          Mas ai de mim!

Nem já sei qual fiquei sendo

          Depois que os vi!

 

                                         Dizei vós, ó meus amigos,

                                         Se vos perguntam por mim,

                                         Que eu vivo só da lembrança

                                         De uns olhos cor de esperança,

                                         De uns olhos verdes que vi!

                                                    Que ai de mim!

                                         Nem já sei qual fiquei sendo

                                                    Depois que os vi!

 

Dizei vós: Triste do bardo!

Deixou-se de amor finar!

Viu uns olhos verdes, verdes

Uns olhos da cor do mar;

Eram verdes sem esperança,

Davam amor sem amar!

Dizei-o vós, meus amigos,

           Que ai de mim!

Não pertenço mais à vida

           Depois que os vi!

 

ANTONIO GONÇALVES DIAS

 

Um bom Domingo para todos!

 

 

 

 

cleudf
contador de visitas para blog
publicado por cleudf às 11:04 link do post
sinto-me: Desprezada
música: Estranha forma de Vida-Carlos do Carmo&Mariza
Cleudf
cleudf cleudf

contador de visitas blogger
Translate
Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
arquivos
tags

todas as tags

posts recentes

O OLHAR AMIGO

tema
contador de visitas blogger
contador de visitas blogger

Map IP Address
Powered byIP2Location.com


contador de visitas blogger
blogs SAPO