O JÚBILO DE QUEM AMA
01 de Março de 2009

Foto de Sir. Johann strauss I

 

De todos os ritmos que têm arrastado a humanidade, no inefável e turbilhonante prazer de dançar, o mais embriagador é, sem sombra de dúvidas, a valsa, que teve seu momento de glória há centena de anos. De cadência rústica, a valsa transformou-se subitamente na dança preferida pela corte imperial da cidade mais musical de todo o mundo; foi um diamante em bruto tornado puríssimo brilhante por obra de dois homens, pai e filho, chamados ambos JOHANN  STRAUSS. Ainda hoje uma valsa de Strauss evoca o estilo daquela saudosa Viena, alegre, meio louca, meio melancólica e estonteante.

 

O primeiro destes compositores de música ligeira nasceu num bairro pobre de Viena, a 13 de março de 1804, filho de um casal de humildes taberneiros. Antes de o pequeno completar um ano, o pai morreu afogado no Danúbio, talvez em conseqüência de um ato desesperado. O segundo marido da mãe, com o tempo, começou a gostar do seu turbulento enteado, rapaz de negros cabelos e olhos brilhantes. Observando como ele gostava de bater o ritmo e fingir que tocava violino, o padrasto comprou-lhe um destes instrumentos. Mesmo na escola o rapaz não se resignou a afastar os dedos das cordas do violino. Um dos mestres ouviu-o e resolveu falar aos pais acerca do prometedor talento do garoto. Para aquela gente humilde, ser músico significava ser um vadio inútil e perambular pelas tabernas, tocando em troca de comida e vinho. E colocaram Johann como aprendiz numa oficina de encadernação. O rapaz, sentindo-se contrariado e frustrado, estragou papel e cola, apanhou sovas, desertou da oficina e, finalmente, venceu toda a oposição aos seus desejos, à força de manifestações inconsoláveis de raiva. Deste  modo, aos quinze anos, Johann achou-se violonista de uma orquestra de ínfima categoria. Ao lado da sua cabeça negra e encaracolada, brilhava outra, loira, a de Joseph Lanner, também recheada de melodias. Quando este formou a sua própria orquestra, Johann juntou-se-lhe.

 

Os êxitos sucederam-se rapidamente, porque na época estavam em voga canções sentimentais como as que compunha Lanner. As desavenças surgiram entre os dois artistas ao estrear-se a primeira composição de Strauss sob o nome do seu colega. Indignado, Johann demitiu-se e, com ele, foram-se embora catorze dos melhores músicos de Lanner, que constituíram, desta maneira, o núcleo da primeira orquestra de Strauss.

 

Dono já do seu futuro e casado com Anna Streim, tão morena e indomável como ele próprio, Johann sentiu o incentivo da ambição. Estudou composição com um amigo de Beethoven e começou a escrever valsas, melodias cheias de desenvoltura e elegância, nunca antes conhecidas no gênero. Ele e o conjunto de músicos que dirigia eram constantemente solicitados. Aos vinte e seis anos, tinha sob a sua regência uma orquestra de duzentos artistas e dava concertos no mais belo salão de baile de Viena.

 

Subitamente, toda a Europa se sentiu impaciente por ouvir as suas valsas alegres e vertiginosas. Nos anos que se seguiram, Strauss e seus músicos colheram rotundos êxitos na Alemanha, na Holanda e na Bélgica. Conquistaram o entusiasmo de Paris e, em 1838, cruzaram o canal da Mancha para tomar parte nos festejos da coroação da Rainha Vitória da Inglaterra, então com dezenove anos de idade.

 

Sob a vibração voluptuosa das cordas do seu violino, a sociedade vitoriana viveu um romântico delírio. A valsa, que tanto escândalo causara nos seus princípios, invadiu todos os salões de baile do Império. Para satisfazer os seus compromissos, Strauss teve de percorrer o país a um ritmo tão vivo como o das melodias que incessantemente criava.

 

Como que embriagado pelos seus próprios acordes, Johann estimulava os músicos com a sua espetacular execução; às vezes, dobrava-se sob o violino, outras vezes, erguia-o nos braços, sempre a arrancar-lhe as notas mais fascinantes. Como era de compleição débil, as exibições deste gênero esgotavam-no. Em várias cidades atuou ardendo em febre. Em Calais sofreu um colapso; recusou-se, porém, a descansar. Em Linz, delirante, saiu de noite para a rua, em trajes menores. Por fim, a dois passos da morte, regressou a Viena.

 

Para Johann, a sua casa, onde a convalescença o enclausurou, converteu-se numa cadeia. Sua mulher suportou-lhe as violências, mantendo quase em silêncio os cinco filhos para que o pai pudesse descansar. Mas, certo dia, o doente ouviu como que um eco da sua própria música... uma valsa de Strauss, interpretada ao violino. Desconcertado ( porque os filhos estavam proibidos de tocar este instrumento, se bem que recebessem lições de piano), foi ver o que se passava. Frente a um espelho, movendo-se ao ritmo do violino e dando já mostras do típico estilo de Strauss, o seu filho mais velho, Johann, interpretava a melodia.

 

 

 

Continua...

 

 

publicado por cleudf às 00:15 link do post
sinto-me: Às vezes sim, às vezes não...
música: Radetzky March de Johann Strauss
Cleudf
cleudf cleudf
Translate
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
30
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
arquivos
tags

todas as tags

blogs SAPO